essepêêê + + próximo sábado
dia 27/01 às 15H + + degrátizzz
participo do projeto ‘versão na praça’
cantando as músicas do meu querido
amigo_parceiro_gênio arnaldexxxx
êta_astral_maravilha!
um show completo incluindo
todas as nossas parcerias <3
muito amô por essa pessôua luz
ser humano além poeta ninja milgrau
na área externa do espaço cultural porto seguro
só lindêzas e buenaz vibraz
esperamos vocês
besitos y inté

que o seu novo ano seja repleto
de sonhos realizados, luzes transbordantes
e alquimias da alma.
amores de todo tipo, cores de toda sorte e
abundâncias de toda espécie.
que o outro seja entendido como um reflexo
e uma extensão de si próprio.
que o espírito prevaleça.
que as dimensões se elevem.
que o beijo nos comova.
e os olhos_nús_vejam.
que a humanidade resgate sua sabedoria ancestral,
cuidando de sua casa – o planeta, com compaixão,
compreensão e gratidão absolutas.
que os animais, nossos irmãos, sejam respeitados
por suas consciências, sentimentos, direitos e liberdades.
que as crianças que chegam neste momento,
flutuem na espiral da luz cristalina e
iluminem todas as belezas.
que a humanidade finalmente desperte para o amor.
amor por tudo.
pra tudo.
em tudo.
carinho, respeito e positive vibezzz.
fraternidades e generosidades – consigo e com todxs.
porque a inteligência + amorosidade do universo
que nos colocou aqui, neste exato
momento-planeta-galáxia-cosmos,
nos escolheu para essa tarefa maravilhóuza:
refletir a beleza do universo no compasso
dos ínfimos átomos e infinitos corações.
sejamos____amor.

hoje é o dia dele.
ele.
josé fernando.
que transformou e transforma cada coração que é tocado pela sua poesia.
ele.
que transcende o entendimento vulgar.
que costura o céu no chão.
ele.
que me convidou, um dia, para dividir, compartilhar e somar numa
das canções mais bonitas já escritas – na minha humilde e
mudéxxxta opinião.
o primeiro show que fui na vida foi dos titãs.
1993.
no saudoso palace.
p-a-l-a-c-e.
eu olhava absorta praquela figura ruiva em cima do palco,
com óculos redondos à la john lennon e tocador de baixo elétrico,
com muita curiosidade e felicidade interna.
cinco anos depois, numa tarde ociosa, fui a um cinema de rua.
não me lembro nem do nome do filme, mas havia uma figura
diferente sentada à minha frente e me lembro bem do cheiro
forte das suas chinelas de couro.
no acender das luzes, me dei conta que era aquele mesmo cara,
da banda, do show.
dez anos depois, nos cruzamos novamente.
desta vez, eu cantora, ele herói.
foi uma emoção da porra.
uma empresa nos contratou para um evento.
um show que nunca realizamos.
mas nossas alegrias pelo incomum já haviam se entrelaçado.
já havíamos nos tornado amigos.
agora, eu estava ao seu lado, aprendendo e me divertindo
com sua personalidade sui generis, complexa, rica.
sua inteligência extremada, sensibilidade multidimensional e
idiossincrasias muito além das palavras.
entre sóis, sombras, oceanos e horizontes,
é impossível descrevê-lo.
e isso é fascinante.
acho que quem melhor o traduz são suas letras,
quase que como biografias infindas e
não-e-extra-autorizadas de si mesmo.
entre os rompantes afetuosos e as lágrimas de todxs
aqueles que casaram ou tiveram filhos ao som
de “pra você guardei o amor”, agradeço a ele por ter
me convidado para fazer parte dessa canção.
ela.
a canção.
que, com certeza, cruzará a linha que separa
a realidade diária das coisas máximas do coração,
totalmente atemporais.
parabéns, felicidades e muito, muito, muito obrigada, nando.
esse amor que todo mundo tem por você – e que é
proporcional ao quilate da sua viagem,
não tem explicação.
não tem.
não tem.

gentêêê <333
o veganismo é a melhor maneira de dizer
aos animais que você os ama, os respeita
e dizer à sua consciência que a vida é muito
mais melhor de bôuaz sem bichinho morto
no rolê do seu prato.
foi uma das melhores decisões que já tomei.
não, não foi fácil.
e ainda não é.
na estrada, quando viajo pra fazer shows,
tem lugar que simplesmente não tem fruta,
nem legumes, nem salada, nem castanha,
nem pão, nem vento.
só os quêjo ou bife da vida.
é osso.
ainda somos poucos, mas crescêmos
a cada dia que passa.
simbora_fortalecê_milgrau.
os bichim, a natureza e eu agradecêmos!

quantas vezes na vida, somos salvos por elas: nossas mães do coração?
num tô falando daquela que botô a gente no mundo literalmente,
mas daquelas que nos amam da mesma maneira.
igualzim.
tive muita sorte de ser adotada e amparada por esse amor infinito,
durante toda a caminhada.
e num bastasse ter o coração do tamanho do universo,
o sobrenome dela ainda é ‘gentil’.
regina gentil.
minha mãe do coração.
meu anjo da guarda.
santa protetora das cantôra durango kid.
quando conheci a rê, foi assim, tipo_milagre.
há 13 anos atrás, eu cantava num bar meio twilight zone
que eu adorava, chamado ‘all of jazz’.
um dia, ela apareceu lá com um amigo,
meio por ‘acaso’.
durante o show, me emocionei cantando uma das músicas
(folhas secas do nelson cavaquinho).
virei de costas para o público,
chorando bagaray.
silêncio absoluto.
não se ouvia nem uma pedrinha de
gelo girando nos cópo-da-vida.
foi quando ela puxou um aplauso sincero
e todos no bar a seguiram.
assim, pude ser salva por ela pela primeira vez.
quando foi ao camarim, nós nos abraçamos
e choramos, como se nos conhecêssemos
há muito tempo ou vidas.
foi lôko.
anos e anos se passaram, sem que
ela nunca saísse de perto.
me socorreu inúmeras vezes.
certa vez, me ajudou a comprar um fogão e
uma geladeira nas casas bahia.
numa outra, me emprestou um troco para
pagar um prejú que tomei numa temporada de shows que fiz.
dívidas pagas, mês a mês, no esquema boleto de mãe.
ela também trazia paninhos de prato de presente
e dizia que só mãe é que dá essas coisas mesmo.
fazia e faz almoços na sua casa, nos recebendo sempre
com todo amor do mundo.
quantos colos requeridos, quantos conselhos necessários!
quando paro e penso nessa gente que cruza o
nosso caminho para nos ajudar, nos ensinar, apoiar e curar,
me comovo profundamente e apenas agradeço.
mistérios que nos ensinam a sorrir.
mágicas que nos ajudam a levantar.
gestos que nos dão a certeza de que nessa vida,
não estamos – nem nunca estaremos, sozinhos.
obrigada rê, por me amar como a uma filha.
obrigada universo, por ser pura poesia.
e obrigada deus, por se revelar assim,
nessas pequeninas magnitudes que nos salvam.
<333